Setorial - Nossa terra no ar.
18 de agosto de 2014 09:54

Funcionários do Parque da Cidade registram presença de lobo-guará

Por Redação
Animal típico do cerrado, parente dos lobos selvagens e dos cachorros domésticos , o lobo-guará é maior canídeo da América do Sul
Animal típico do cerrado, parente dos lobos selvagens e dos cachorros domésticos , o lobo-guará é maior canídeo da América do Sul

Um lobo-guará (Chrysocyon brachyurus), espécie ameaçada de extinção, tem sido visto na mata em torno do Parque da Cidade Roberto Burle Marx, em Santana. Funcionários que atuam na manutenção do local fizeram o registro do animal com uma câmera amadora, semana passada.

O auxiliar de serviços gerais Joaquim Carlos Vieira dos Santos conta que, logo cedo, estava trabalhando próximo da várzea do Rio Paraíba quando avistou um animal. “De início achei que fosse um bezerro, mas quando ele foi se aproximando vi que era um lobo-guará”, disse. Para Joaquim foi uma experiência inédita nesses 12 anos de atividades no Parque da Cidade. “Nunca tinha visto esse animal, fiquei muito surpreso”, contou.

O jardineiro Nelson José Ribeiro também foi surpreendido. Atravessando o interior do Parque na volta pra casa no final do dia, avistou um animal de cor de fogo, imponente, que rapidamente sumiu na mata. “Me chamou muito a atenção pelo porte e beleza dele”, afirmou Nelson.

O médico veterinário João Marcos Rodrigues, da Prefeitura, afirma que é importante respeitar e proteger a espécie evitando aproximação, pois trata-se de um animal selvagem. “Existe uma população de lobos-guarás nas matas da nossa região que ninguém vê. É um animal que, por natureza, não se aproxima de humanos e não representa risco, desde que não seja acuado pelas pessoas”, destacou.

O biólogo Marcelo Godoy, presidente da ONG IEPA (Instituto Ecológico e de Proteção aos Animais), avalia que o aparecimento do animal pode ser indicativo de que esteja faltando alimento em seu habitat natural, consequência do avanço da urbanização.

“Temos bastante ocorrências de lobo-guará nos fragmentos da mata atlântica e do cerrado da região, mas não é normal o animal adentrar regiões habitadas”, disse o biólogo. Ele também alerta que não é recomendado se aproximar nem alimentar esses animais.

A orientação de Marcelo Godoy é para que as pessoas que vejam animais como o lobo-guará em áreas residenciais comuniquem ao IEPA, que atua no resgate e proteção dos animais silvestres. O telefone de plantão é 99713-5794.

Lobo-guará

Animal típico do cerrado, parente dos lobos selvagens e dos cachorros domésticos, o lobo-guará é maior canídeo da América do Sul, podendo atingir até um metro de altura e pesar 30 quilos.

Altivo, esguio e elegante, também é conhecido como lobo-de-crina, lobo-vermelho, aguará, aguaraçu e jaguaperi, nomes ligados a sua pelagem laranja-avermelhada. Alimenta-se de pequenos animais, como roedores, tatus e perdizes, além de frutos variados do cerrado.

É considerado um animal tímido e solitário, que mantém distância dos humanos. É avistado normalmente circulando por grandes campos nos fins de tardes e durante as noites. Vive cerca de 15 anos e, a cada gestação, que dura pouco mais de dois meses, nascem em média dois filhotes.

 

Fonte: Prefeitura de SJC

Comentários

*Todos os comentários são moderados. Isso quer dizer que nós lemos todas opiniões e damos preferência para aquelas que agregam mais informação, que tenham personalidade e que não ataquem o autor ou outros leitores do site. O seu email não será publicado ou comercializado.*