Setorial - Nossa terra no ar.
19 de março de 2014 09:53

Fim do analfabetismo custaria muito menos que Copa

Para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), é inadmissível o Brasil continuar convivendo com o problema

Por Redação

O analfabetismo foi tema discutido nessa quarta-feira (18), em audiência pública na Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa(CDH). Para o senador Cristovam Buarque (PDT-DF), é inadmissível o Brasil continuar convivendo com o problema.

Ele comparou gastos para a realização da Copa do Mundo no país e afirmou que um programa de erradicação em âmbito nacional custaria R$ 3,5 bilhões ao ano.

“Isso não é nada para um país que tem R$ 4 trilhões de renda, R$ 2 trilhões de receita do setor público e que gasta na Copa R$ 35 bilhões. Não é possível esse problema ainda continuar, analisou o parlamentar.

No debate, Cristovam voltou a defender a federalização da educação, visto que, segundo ele, não há como deixar a tarefa nas mãos de prefeitos e de governadores, principalmente aqueles das cidades e estados mais pobres.

O senador é autor de projeto de decreto legislativo (PDS 460/2013) que convoca plebiscito para consultar os eleitores sobre a transferência para a União da responsabilidade sobre a educação básica. A proposta está na pauta da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ).

No requerimento em que solicitou a audiência pública, o parlamentar destacou relatório da Unesco segundo o qual o país é o oitavo país em número de analfabetos jovens e adultos.

Números

Números relativos à situação no Brasil foram apresentados pelo diretor de Estatísticas Educacionais do Ministério da Educação, Carlos Eduardo Moreno Sampaio. Bahia, São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Ceará e Maranhão concentram 56% dos analfabetos.

Carlos Eduardo afirmou também que cerca de um terço dos analfabetos com 15 anos frequentou a escola, o que mostra o fracasso do sistema.

Os comentários para este conteúdo estão encerrados.