Setorial - Nossa terra no ar.
18 de julho de 2014 19:35

Dietas restritivas elevam longevidade e riscos de infecções, segundo pesquisa

Tensões como a fome podem prolongar a vida, mas afetam a função imunológica

Por Redação

Dietas muito restritivas, em que as pessoas consomem 25% das calorias diárias em dois dias da semana, podem aumentar a longevidade, mas isso tem um preço: 20% mais riscos de ter infecções. A uma constatação é de um estudo da Universidade de Bath, na Inglaterra.

Cientistas identificaram que os genes das moscas de frutas que são ativados por um infecção fúngica são muito parecidos ou idênticos aos genes ativados dos humanos quando restringem a dieta. Quando expostas à doença provocada por fungos, as vidas das moscas foram prolongadas 14%, porém a análise de 30 mil exemplares apontou que a susceptibilidade a outras infecções elevou em 20%.

“Sabemos que certas tensões, como a fome ou a exposição a patógenos, podem prolongar a vida e aumentar a fertilidade, mas descobrimos que, ironicamente, isso tem um porém em termos de função imunológica”, contou o professor de biologia e bioquímica Nick Priest, que liderou o estudo. “Nossos resultados não são tão surpreendentes. Sabemos há décadas que os ratos esfomeados são mais propensos a sucumbir a infecções graves.”

Ele também afirmou que há benefícios claros em dietas como a 5:2, mas é necessário pensar no longo prazo e em seus efeitos colaterais. “Isso mostra que mesmo a fonte da juventude deve vir com uma etiqueta de aviso”, concluiu.

Os comentários para este conteúdo estão encerrados.